26 março 2007

O ISU e o Microcrédito

Projecto de Luta contra a Pobreza através do Microcrédito na zona Leste da Guiné-Bissau


Os créditos são utilizados para financiar actividades lucrativas como a horticultura


ou produção de sabão


Projecto As mulheres como instrumento de luta contra a pobreza – uma experiência de microcrédito- Angola


Mário Jaleko (ISU) durante uma sessão de formação dos animadores locais; Temas como poupança, crédito, contabilidade básica, género e desenvolvimento e desenvolvimento pessoal fazem parte do programa

Entrega de crédito ás mulheres beneficiárias

O ISU desenvolveu dois projectos de microcrédito: um na Guiné-Bissau, iniciado em 2004 e que ainda está em curso, e outro em Angola, com duração de um ano, que terminou em 2006. Apesar de algumas dificuldades, estas duas iniciativas vão ao encontro da experiência do Professor Yunnus: o direito ao crédito, como todos os direitos humanos, é uma arma de luta contra a pobreza.

Na Guiné-Bissau
O “Projecto de Luta contra a Pobreza através do Microcrédito na zona Leste”, é uma parceria com a ONG guineense DIVUTEC (http://www.divutec.org/), co-financiada pelo IPAD e já concedeu créditos a mais de 3000 mulheres para desenvolverem actividades geradoras de rendimento como a criação de cabras e galinhas, produção de amendoim, horticultura e produção de sabão.
Os resultados têm sido muito satisfatórios, com reembolsos na ordem dos 87% e comunidades a usarem os lucros para criarem novos negócios (lojas de produtos de 1ª necessidade, salão de filmes etc) e outras iniciativas para o desenvolvimento comunitário como aquisição de uma mota para transporte de doentes ou créditos para a saúde.
Outro factor de sucesso do projecto (e do microcrédito) muito importante, é o aumento da participação e do reconhecimento das mulheres nas suas comunidades: ao conseguirem desenvolver uma actividade lucrativa, as mulheres participam no desenvolvimento económico (ajudam em casa e na aldeia), ganham o reconhecimento da comunidade por isso, e são mais ouvidas e consultadas para os assuntos da comunidade.
O investimento dos lucros do microcrédito na melhoria da saúde e educação da família e comunidade é também um dos objectivos do microcrédito. A 3ª fase do projecto (cuja candidatura está em curso) irá focar mais estas componentes, que já foram abordadas em 2006 através da formação dos animadores do projecto nestas áreas (em parceria com Escola Superior de Educação de Viana do Castelo, da ONG Saúde em Português e a Caritas da Guiné-Bissau)

Em Angola
O Projecto “As mulheres como instrumento de luta contra a pobreza – uma experiência de microcrédito” (co-financiado pelo IPAD), decorreu em Freixiel, de Maio de 2005 a Dezembro de 2006, em parceria com a Congregação das Irmãs de Santa Doroteia, e estava inserido no Projecto Melika, “Mulher chegou a tua hora”, um projecto de desenvolvimento comunitário levado a cabo por esta Congregação desde 1998.
No total 120 mulheres (organizadas em 11 agrupamentos) receberam e reembolsaram os seus créditos (dois agrupamentos ainda não conseguiram reembolsar), o que lhes permitiu melhorar a sua situação económica, o que sem o acesso ao crédito seria muito difícil.
O projecto permitiu também integrar na comunidade e no parceiro uma metodologia de trabalho participativa muito positiva, desde as componentes de capacitação e empowerment que incluía, passando pela integração de técnicos do ISU no terreno (em permanência durante cerca de 15 meses), e as metodologias participativas nas formações.

Muitas foram as aprendizagens, os resultados e impactos vividos por muitos nestas “experiências de microcrédito” em que o ISU se envolveu, em cujo valor acredita, e que esperamos continuem a ter efeitos multiplicadores.

2 comentários:

Joana disse...

Caros colegas do ISU,

Fui para Cabo Verde no Verão de 2000, através do NÔ DJUNTA MON.
Queria incentivar todos os indecisos a embarcarem nesta aventura, um desafio que deixa bons resultados. Neste período senti que o nosso trabalho foi produtivo e útil, penso que deixámos bons intrumentos eduvativos e alicerces de desenvolvimento na Assomada, em Cabo Verde.
Para além disto, é sem dúvida uma experiência para a vida. Hoje é muito frequente lembrar as aprendizagens e momentos vividos neste período... Marcaram-me e são essenciais no meu dia-a-dia.
Por isso Obrigada e PARABÉNS ISU!
E um beijinho aos meus companheiros de 2000: Pedro, João, Pedro, Ana, Ana Luisa, Abraão, Telma, Maya, Carla, Marisa, Diogo...
Quem puder envie-me fotos do ICM e outras da Assomada!
Beijinho Joana

Carlos Silva disse...

Olá, sou Carlos Silva, da ilha do Fogo-Cabo verde, Concelho de S.Filipe, presidente da ABC-Patim (www.abc-fogo.org, e Gestor de CRP-Fogo.

Antes de mais gostaria de parabenizar os trabalhos que o ISU está fazendo em prol do Voluntariado e Educação, por conseguinte participei numa formação em Volvuntariado e Educação para a Saúde, promovida pelo ISU e ministrada pelos excelente jovens formadores: Fátima, Tiago, Ticha, Beta, Daniel e Andreia. Para nós hoje o ISU também está nos nossos corações, esperamos que esta cooperação, continue e a Associação de voluntariado, denominada "JUNTOSPROVO" no processo de criação.
Portanto é nos satisfatório saber que a partir desta formação somos capazes de pelo menos ser um voluntariado e saber socorrer alguma vítima onde não há pessoas especializados.
Meus sinceros agradecimentos a todos principalmente aos formadores que antes citei.

Carlos Silva, saudades.